O pároco de San Luigi em Milão, padre Bernasconi, está sendo investigado, pela Promotoria da cidade italiana de Crotone, por “ofensas contra uma confissão religiosa” após a celebração de uma Missa no mar.

Segundo o cotidiano online La Nuova Bussola Quotidiana, “o sacrilégio é ignorado pelos bispos envolvidos, que silenciam sobre um grave vulnus infligido aos crentes, renunciando a exigir reparações públicas e medidas canônicas contra o padre, que se limita a pedir desculpas por sua ingenuidade, embora continue a justificar-se.”

Como já anda ocorrendo com certa frequência, a ofensa à fé não é mais promovida não por descrentes, mas por sacerdotes.

Um padre amigo me perguntou se eu teria alguma sugestão para ele ser mais criativo que esse padre italiano.

Acho difícil. Já vimos “criatividade litúrgica” por terra, água e agora só resta no ar.

Talvez num balão de ar quente. Mas a assembleia vai ser bem reduzida, pois o cesto comporta uma tripulação muito pequena.

Quem sabe fretar um voo de avião. Os “corações ao alto”, da oração litúrgica, estarão de fato bem altos (pelo menos do ponto de vista fisiológico, que é o que mais interessa a esse pessoal criativo).