Um dos defeitos que mais nos pode afastar da confiança na Providência é a preocupação exagerada com o futuro. Ou seja, viver pensando quase obsessivamente nisto.

Nas Cartas de um Diabo a seu Aprendiz, de C. S. Lewis, o demônio Berlicche dá este conselho a seu sobrinho Malacoda:

“Nosso trabalho é distanciar (aqueles a quem quisermos tentar) tanto do eterno quanto do presente. (…). É muito mais útil deixar o homem viver no futuro. O futuro é desconhecido e, portanto, ao fazê-lo pensar nele, o fazemos pensar em coisas irreais. Em suma, o futuro é, de todas as coisas, a que menos se assemelha à eternidade.”

Lo sai che il futuro è la cosa meno simile all’eternità?