Você só pode ser consolado
Da certeza da morte
Com outra e misteriosa certeza:
A de ser irrevogavelmente eterno
(Uma certeza que, por enquanto,
Ainda não é garantia de coisa alguma).
De um lado, já não é mais possível
Voltar ao nada anterior ao ser,
De outro, ainda não é possível
Cantar vitória sobre o diabo.
A morte já nasceu morta,
Mas o diabo quer você eternamente ao lado dele.
Deus decidiu que você já é eterno
E não adianta discutir com Ele.
É uma eternidade tão antiga quanto a sua própria vida.
Uma eternidade muito humildemente brotada
Naquela partícula de tempo imemorial,
Naquele simples e preciso átimo de instante
Em que Deus encheu de espírito
O seu então recentíssimo ínfimo ser molecular
(Um ser de nada que, nas galerias subterrâneas do amor,
Tinha acabado de surgir
Tenro e informe
Do abraço intracelular de seu pai com sua mãe).
Um mínimo e sagrado ser
Que no entanto já estava maduro o suficiente
Para começar a ser eterno.
O que, repita-se, ainda não é garantia de nada.
Por enquanto, é só uma advertência e uma promessa
Com consequências misteriosamente eternas.