[Padre Danziec, colunista do jornal francês conservador Valeurs Actuelles, entrevistou Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Astana, no Cazaquistão. Dom Athanasius está na França para divulgar a tradução francesa de seu recente livro Christus vincit. O Triunfo de Cristo sobre as Trevas de Nosso Tempo. A seguir, um trecho da entrevista].

Padre Danziec: Excelência, seu livro é intitulado Christus vincit. O Triunfo de Cristo sobre as Trevas de Nosso Tempo. Não há algo de estranho em falar sobre a vitória de Cristo, quando o próprio cristianismo parece estar desaparecendo? A mensagem da Igreja parece estar, agora, mais frágil do que nunca…

Dom Athanasius Schneider: Sua pergunta se relaciona com a própria natureza da mensagem de Cristo. Se o Cristianismo fosse uma instituição humana, você estaria certo e não teria sentido falar desse assunto. Mas, como bispo católico, sou chamado a dar testemunho da origem divina da Igreja.

Todos os batizados sabem, com a certeza da fé, que Cristo encarna a vitória, mesmo na atual circunstância de confusão geral. Em meio a essas trevas, devemos renovar nossa confiança neste Senhor que “venceu o mundo” (João 16:33).

Em muitas ocasiões, na história da humanidade, Cristo usou meios simples para tornar possíveis essas vitórias. No relato bíblico, o triunfo de Davi sobre Golias é uma das passagens mais célebres das Escrituras: ela nos diz que nada é impossível para Deus.

No seu país, a França, a figura de Joana D’Arc encarna exatamente isto. Diante de um poder corrupto, ela foi condenada e queimada viva. Humanamente, parecia, então, que ela havia perdido. Mas, agora, ela é a grande glória da França, mesmo além das fileiras dos batizados.

É assim que Deus, frequentemente, confunde os soberbos, aqueles que são prisioneiros de suas visões terrenas.

Para Charles de Foucauld, “a Igreja é uma aparente derrota numa vitória perpétua”.

Deus utiliza, com frequência, instrumentos simples e aparentemente frágeis para tornar sua mensagem vitoriosa. Hoje, não há razão para que ele não recorra aos mesmos métodos. Creio que a vitória de Cristo, hoje em dia, passa justamente pelos “pequenos” e “simples” da Igreja, aqueles que não fazem parte do establishment ou de suas estruturas administrativas.

As famílias corajosas, e os jovens sedentos de verdade e de clareza, são para mim sinais de que, aos poucos, a vitória de Cristo segue avançando em meio às trevas do nosso tempo.