Como o Evangelho de hoje nos mostra os Doze regressando de sua primeira viagem missionária, o conjunto das leituras nos convidam a continuar refletindo sobre a autoridade e missão da Igreja.

O profeta Jeremias diz, na primeira leitura, que os líderes de Israel deixaram extraviar-se o Povo Eleito, pois se esqueceram de Deus e transmitiram falsos ensinamentos. Promete que Javé enviará um pastor, um descendente de Davi, para reunir as ovelhas perdidas e lhes dar novos pastores (v. Ez 34, 23).

A multidão sentada na grama verde, que nos descreve o Evangelho deste domingo (v. Mc 6,39), já é parte daquele resto do Povo de Deus ao qual se referia Jeremias, profetizando que ele iria retornar ao vale de Israel (v. Jr 23,3). As pessoas parecem perceber que Jesus é o Senhor, o Bom Pastor (v. Jo 10,11), o Rei que estavam esperando (v. Oséias 3, 1-5).

Jesus se comove ao ver as pessoas “como ovelhas sem pastor” (Mc 6,34). Esta frase já havia sido usada por Moisés, falando da necessidade que Israel tinha de um pastor para sucedê-lo (Nm 27,17). E assim como Moisés nomeou Josué, Jesus escolheu os Doze para continuar a pastorear seu povo neste mundo.

Jesus afirmou que tinha outras ovelhas que não pertenciam ao aprisco de Israel, mas que ouviriam a sua voz para se juntarem ao único rebanho do único pastor (v. Jo 10,16). No plano de Deus, a Igreja devia procurar primeiro as ovelhas perdidas de Israel e, em seguida, atrair todas as nações ao redil (v At 13, 44; Rm 1, 16).

Também São Paulo, na epístola de hoje, vê a Igreja como uma nova criação, na qual as nações que antes estiveram longe de Deus, agora se unirão como “uma só pessoa” junto aos filhos de Israel.

Como cantamos no Salmo de hoje, através da Igreja o Senhor, nosso Bom Pastor, continua conduzindo seu povo para os prados de verdes pastagens do Reino, para as águas tranquilas do batismo. Continua nos ungindo com o azeite da confirmação e dividindo com todos o banquete eucarístico, enquanto enche nossa taça até a borda.

https://stpaulcenter.com/one-flock-scott-hahn-reflects-on-the-sixteenth-sunday-in-ordinary-time/